Seu gatinho bebe água o suficiente?

Para iniciar o assunto, precisamos voltar um pouco no tempo, vocês já entenderão o porquê!

Sabiam que há indícios de que os cães foram domesticados há aproximadamente 500 mil anos, ainda na era glacial?

Enquanto que os gatos ainda intrigam os historiadores que ainda não chegaram em um consenso. Os registros mais antigos datam a domesticação felina há aproximadamente 10 mil anos. 

Comparando com os cães, tudo ocorreu há pouquíssimo tempo, fazendo com que o instinto selvagem se mantenha muito presente nos nossos bichanos.

Depois disso tudo, você deve estar se perguntando onde quero chegar com isso, certo?

Na natureza, um dos momentos que o animal fica mais vulnerável é ao beber água. Segue meu raciocínio… Eles precisam ficar em um ambiente aberto, pois estarão na beira de um rio, lago, etc.

Outros predadores poderão estar à espreita escondidos na mata ao redor. Além disso, há “inimigos” escondidos dentro da água, como crocodilos. 

Levando isso em consideração, sugiro a vocês a começarem a prestar atenção na expressão corporal do seu gatinho ao beber água.

As orelhas sempre voltadas para o lado para não deixar de perceber nenhum barulho, olhos sempre atentos, e a qualquer momento já desistem de beber. 

Agora, chego ao segundo ponto dessa conversa toda. Garanto que vocês já devem ter pensado que é balela esse papo de fonte de água. Vou explicar a importância e espero que vocês mudem de opinião. 

Voltando a natureza, água parada geralmente não está em condições ideais para beber, podem estar contaminadas, por exemplo.

A preferência sempre será locais onde a água está corrente, ou seja, sempre fresca, como em rios. 

Para nossos gatinhos que ainda tem esse instinto selvagem, vocês acham que eles vão preferir a água do bebedouro comum ou de uma fonte que pra eles está sempre com água fresca? E ainda faz o barulhinho da água corrente. Consegui convencer vocês? 

Manter seu gatinho com interesse em beber água é de extrema importância para manter uma boa saúde, bem hidratados, evitando sérios problemas no sistema urinário, por exemplo, doença renal crônica e cálculos (pedras).

Última parte do assunto e não menos importante. Devemos sempre deixar o potinho de água e o de comida distantes um do outro.

Por quê? Voltamos a natureza (risos), se há uma carcaça – comida – próximo ao rio, ela contaminará a água, não estará potável. 

No entendimento do nosso gatinho, se deixarmos o potinho de ração próximo ao de água, o comedouro contaminará o bebedouro. Seu gato vai beber menos, podendo levar a uma desidratação. 

Gatos não tem costume de beber água, pois quando ainda na natureza, caçariam uma pequena presa e comeriam inteira, de certa forma, estariam ingerindo a água do corpo dessa presa. Após explicar todos esses pontos importantes, reforço a importância de estimular o seu gato! 

Aqui vai algumas dicas: espalhar potes de água pela casa, ideal em locais mais silenciosos (longe da máquina de lavar, por exemplo) e onde haja menor fluxo de pessoas, ter uma fonte de água, manter sempre limpa e fresca, longe dos comedouros e também das caixas de areia, afinal, ninguém bebe/come no banheiro né?

Eles também não. E por último, mas não menos importante, fornecer sachês – ração úmida – ao menos 1x ao dia, pois ela possui mais água e também ajuda a hidratar. 

Sei que o texto ficou longo, mas espero que tenha ajudado a esclarecer algumas dúvidas. Abraço, Mai.

21 de abril de 2020

Compartilhar

Sobre a autora

Conheçam a nossa humana que é quem escreve no nosso blog, ela se chama Maiara Scapini Bazotti, é Médica Veterinária formada pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) em 2015. Durante 2016 a 2018, fez residência veterinária no Hospital de Clínicas Veterinárias (HCV) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na área de clínica médica de pequenos animais, se apaixonando ainda mais pela clínica de felinos. Atualmente, está realizando a pós graduação em clínica e cirurgia de felinos.

@vetmaiarabazotti

Voltar